Também pode lhe interessar:

O que é a menopausa precoce e como ela interfere na fertilidade?

O que é a menopausa precoce e como ela interfere na fertilidade?

Menopausa é um período delicado em que a mulher experimenta diversas mudanças em seu corpo. O último ciclo menstrual é a marca do fim da fase reprodutiva da mulher e traz mudanças que podem afetar a saúde física e psicológica de diversas maneiras. A condição costuma ocorrer por volta dos 45 a 55 anos de idade.

Algumas mulheres podem experienciar tal evento antes do tempo estimado, por volta dos 40 anos ou até mesmo antes. É a chamada menopausa precoce e suas consequências podem ser mais devastadoras, pois, muitas vezes, a mulher ainda tem planos reprodutivos e a fertilidade acaba por ser afetada.

O que é e como ocorre a menopausa precoce?

Enquanto os homens produzem gametas ao longo da vida, a mulher já nasce com o número limitado de folículos que darão origem aos óvulos que serão expelidos durante os ciclos em toda a sua vida. Por isso ocorre a menopausa, quando a produção de hormônios e a capacidade de ovulação é diminuída até as menstruações cessarem por completo, por volta dos 45 a 55 anos, em média.

A menopausa precoce, também chamada de Insuficiência Ovariana Prematura (IOP), por sua vez, ocorre quando este processo se dá antes dos 40 anos. Mulheres que estão sem menstruar há pelo menos quatro meses devem procurar um médico para investigar a possível ocorrência de menopausa precoce.

Sintomas da menopausa precoce

Ao sofrer a menopausa precoce, por causa dos desequilíbrios hormonais que a situação apresenta, a mulher com menos de 40 anos poderá passar por sintomas semelhantes aos de uma mulher que passa pela menopausa em idade comum:
  • Menstruação irregular ou sua ausência;
  • Ondas de calor sem causa aparente;
  • Alterações de humor;
  • Diminuição da libido;
  • Ressecamento vaginal e queda de cabelos;
  • Dificuldade de sono;
  • Suores noturnos.
São sintomas gerais, ou seja, é importante que a mulher, ao notar passar por alguns deles, principalmente a irregularidade ou ausência de menstruações, procurar um médico ginecologista para realizar avaliação e investigação de possível menopausa precoce, através de história clínica e exames que indicarão alterações hormonais importantes.

Menopausa precoce e a fertilidade

Uma das principais questões que são levantadas sobre a menopausa precoce é sobre a fertilidade. Nesse período, muitas mulheres ainda não são mães e planejam ser, outras já têm filhos e desejam ter mais. Por isso, essa condição pode trazer consequências psicológicas negativas, pois pode a princípio, representar o fim de um sonho.

O principal tratamento contra a menopausa precoce é a terapia de reposição hormonal até a idade em que a menopausa costuma ocorrer, geralmente após os 50 anos. O tratamento visa amenizar as consequências da diminuição do estrogênio no corpo, mas não interfere diretamente na fertilidade.

Mulheres em menopausa precoce ainda podem ter a fertilidade preservada, mas há menos de 10% de chance de engravidar através dos próprios óvulos. Uma forma de aumentar essas chances é através da fertilização in vitro (FIV), em que um óvulo é fecundado com esperma num ambiente controlado e implantado no útero de forma segura, aumentando as chances de gravidez. Caso a mulher não produza mais os próprios óvulos, pode recorrer a uma doadora através do banco de óvulos.

As chances de sucesso são maiores. A menopausa precoce não precisa significar o fim de um sonho ou uma vida difícil. Por isso, o acompanhamento de um bom especialista pode ajudar a amenizar as consequências desse desequilíbrio, e tratamentos hormonais e de fertilização podem trazer de volta o sonho da maternidade.

0 comments:

Postar um comentário