Wednesday, July 10, 2013

Amas de leite para adultos viram moda entre ricos chineses

O polêmico serviço provocou uma avalanche de críticas de usuários

Nunca é tarde demais para apreciar as propriedades nutricionais do leite materno.

Com essa filosofia, uma empresa da metrópole de Shenzhen, sul da China, atraiu a atenção de marmanjos dispostos a pagar caro para ter uma ama de leite de plantão, que lhes forneça o alimento direto da fonte.


O polêmico serviço provocou uma avalanche de críticas de usuários das redes sociais chineses, muitos enojados com a ideia, outros sugerindo que trata-se de pura perversão sexual.

Enquanto o chinês médio se desdobra para achar leite de qualidade, após casos de contaminação que causaram a morte de bebês há alguns anos, há quem se dê ao luxo de contratar amas de leite exclusivas.

Até ontem o assunto era alvo de mais de 150 mil comentários no microblog Weibo, a versão local do Twitter. O que mais chocou os internautas foi a possibilidade oferecida pela empresa de que o cliente seja literalmente amamentado.

"Eles podem escolher entre a amamentação direta ou por meio de um sugador, se lhes for desconfortável", disse ao jornal "Southern Metropolis Daily" o porta-voz da empresa Xinxinyu, que oferece o serviço.

Segundo Lin Jun, o porta-voz citado, é crescente a procura do leite materno entre adultos com muito dinheiro e pouca saúde.

"Muitos contratam as amas para garantir um suprimento diário de leite materno", disse Lin, afirmando que as profissionais raramente manifestam resistência a prestar o serviço, "contanto que o pagamento seja justo".

A reportagem estima que as fornecedoras de leite materno para adultos cobrem em média 16 mil yuans (R$ 5.680) por mês, quatro vezes o salário médio mensal no país. O preço pode ser mais alto se a ama for atraente e comprovadamente saudável.

Depoimentos publicados na reportagem confirmam que o consumo de leite materno entre adultos virou moda nas altas rodas.

"Mas só alguns poucos mamam diretamente no peito das amas de leite", diz um dos entrevistados, que não é identificado. Ele conta que contratou a ama para morar em sua casa, a fim de garantir o fornecimento diário.

"É mais um sinal da degradação dos ricos chineses e de como a mulher é tratada como um bem de consumo", comentou o escritor Cao Baoyin em seu blog.

Mei Chunlai, um advogado consultado pelo jornal "China Daily", disse que embora a lei do país proíba a comercialização de leite materno, a fiscalização é frouxa.

Devido principalmente aos períodos curtos de licença maternidade, o índice de aleitamento materno na China é baixo, praticado por apenas 28% das mães, segundo relatório do Unicef publicado no ano passado.


Fonte: Folha de São Paulo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...