Thursday, October 4, 2012

Câncer de Pele e seus tipos



Apesar de esse fato ser conhecido praticamente por todos, é muito difícil uma pessoa convencer-se de que uma mudança de comportamento é fundamental. Praias, piscinas e represas sempre atulhadas de gente nos horários em que o sol pode provocar lesões importantes na pele são provas irrefutáveis de que esse tipo de informação não é levado muito a sério.

Devido à grande incidência de raios UV na Terra, mais pessoas estão sendo acometidas pelo câncer de pele. 

O câncer de pele é causado devido a um crescimento incontrolável de células anormais na pele. Caso não seja tratado devidamente, essas células podem espalhar-se para outros tecidos e órgãos. 

A principal causa do câncer de pele é a exposição excessiva aos raios UV, pois eles são capazes de provocar alterações nas células, tornando-as células cancerígenas. Mas também há outras causas como o uso do cigarro ou qualquer outro tipo de fumo de tabaco, feridas crônicas que não cicatrizam, predisposição genética, infecção pelo papiloma vírus humanos, irradiação ultravioleta como germicida, exposição a produtos químicos fortes como o arsênico, pessoas portadoras de xerodermia pigmentosa, doença genética que impede o reparo dos danos causados pelo raio ultravioleta.

Os tipos de câncer de pele variam de acordo com seu aspecto e tipo de células.

São três os tipos mais frequentes. Eles se originam de diferentes células que compõem pele. 
* Carcinoma Basocelular: É um tumor que geralmente ocorre em áreas do corpo onde tomamos mais sol: face, braços e pernas.  É o câncer de pele mais comum. Se for detectado precocemente, é muito provável que seu médico consiga curá-lo, pois é um câncer que praticamente não leva a metástases.
Atinge principamente pessoas de pele clara e está diretamente relacionado com a exposição solar acumulada ao longo da vida.
Seu crescimento é lento e, muito raramente, se dissemina à distância (metástases), mas pode destruir os tecidos à sua volta, atingindo até cartilagens e ossos. 
Pode se manifestar de várias maneiras, a da foto acima é apenas uma delas. Feridas que nao cicatrizam ou lesões que sangram com facilidade devido a pequenos traumatismos, como o roçar da toalha, podem ser um carcinoma basocelular. 


* Carcinoma Espinocelular: Raramente dá metástases e sua cura é a eliminação da lesão. Pode ocorrer na pele e mucosas (boca, lábios e genitais) É o segundo tipo mais comum de câncer da pele. Também é provável que se consiga curá-lo se detectado precocemente, mas o CEC pode “espalhar”, podendo causar até morte.


O carcinoma espinocelular costuma surgir em áreas da pele que sofreram exposição prolongada ao sol e a partir de ceratoses actínicas, que são lesões decorrentes da exposição solar acumulada durante a vida e consideradas pré-cancerosas.
Também é comum acometer áreas de mucosa aparente, como a boca ou o lábio (relacionados com o tabagismo), cicatrizes de queimaduras antigas, áreas da pele com processos inflamatórios crônicos, como as úlceras de perna, ou áreas que sofreram irradiação (raios X).


* Melanoma: Geralmente ocorre em regiões do corpo onde tomamos sol em caráter intermitente ou áreas de trauma: face, costas, couro cabeludo, pés, mãos e unhas.
O melanoma maligno é o mais agressivo e temido entre os cânceres da pele. Tem sido também relacionado a exposições solares intensas, com queimaduras solares dolorosas e com bolhas, durante a infância, o que nos leva novamente aos cuidados especiais com as crianças e adolescentes.


É originado das células que produzem o pigmento da pele (melanócitos), é o câncer de pele mais perigoso. Frequentemente envia metástases para outros órgãos que podem levar o paciente ao óbito, sendo de extrema importância o diagnóstico precoce para a sua cura.
O melanoma pode surgir a partir da pele sadia ou a partir de "sinais" escuros (os nevos pigmentados) que se transformam. 

Apesar de ser mais frequente nas áreas da pele comumente expostas ao sol, o melanoma também pode ocorrer em áreas de pele não expostas. Pessoas que possuem sinais escuros na pele devem se proteger dos raios ultra-violeta do sol, que podem estimular a sua transformação. 

Por isso, qualquer alteração em sinais antigos, como: mudança da cor, aumento de tamanho, sangramento, coceira, inflamação, surgimento de áreas pigmentadas ao redor do sinal justifica uma consulta ao dermatologista para avaliação da lesão. Além disso, algumas características dos sinais podem recomendar o exame, portanto conheça o ABCD do melanoma: 
  • Assimetria: formato irregular
  • Bordas irregulares: limites externos irregulares
  • Coloração variada (diferentes tonalidades de cor)
  • Diâmetro: maior que 6 milímetros 

A foto acima representa um melanoma em fase inicial (melanoma "in situ"), com todas as características acima descritas. Nesta fase, o melanoma ainda está restrito à camada mais superficial da pele, quando ainda não emite metástases para outros órgãos e pode ser curado pela retirada cirúrgica da lesão. 

Como é feito o tratamento do câncer de pele?
O tratamento é cirúrgico na maioria das vezes ou através da destruição das lesões por radioterapia ou criocirurgia com nitrogênio líquido.
Quanto antes a lesão for retirada, maior a chance de se curar a doença e de se evitar a disseminação de células cancerosas para outros órgãos (metástases), muito rara nos casos de carcinoma basocelular mas muito frequente nos casos de melanomas não tratados. Por isso, se você tem uma lesão suspeita, procure um dermatologista.

Quais os fatores de risco mais comuns associados ao câncer de pele? 

Raça:
Câncer de pele é mais comum em pessoas de pele clara, cabelo e olhos claros, que ficam facilmente vermelhas quando se expõem ao sol e que muitas vezes descascam facilmente a pele após se queimarem no sol.
   
Idade:

O melanoma aumenta rapidamente após os 20 anos entre pessoas brancas.
   
História pessoal:

Pessoas com certo tipo de sinais (nevos) ou que têm Síndrome do Nevo Displásico têm mais chance de desenvolver melanoma.
   
História de doenças anteriores:

Pessoas que já tiveram câncer de pele do tipo não-melanoma têm mais chance do que outras de desenvolver esse tipo de câncer.
   
Exposição:

Pessoas que se expõem por um longo período ao sol ou Raio X e luz ultravioleta têm mais chance de desenvolver esse tipo de câncer.

Qualquer pinta, lesão ou formação suspeita na pele deve ser examinada por um médico imediatamente. Leve muito a sério quaisquer mudanças em uma pinta ou qualquer formação inesperada na pele.

Fontes:
ABCda Saúde - DicasGratisnaNet - EsteticaPortoAlegre - Dermatologia.Net




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...